Cartilha Olimpíadas da Diversidade, Direitos Humanos e sem discriminação - audiodescritiva.txt

por MDH última modificação 04/09/2018 17h22

text/plain Cartilha Olimpíadas da Diversidade, Direitos Humanos e sem discriminação - audiodescritiva - Revisada.txt — 20 KB

Conteúdo do arquivo

Ttulo da cartilha:
OLIMPADAS DA DIVERSIDADE, DIREITOS HUMANOS E SEM DISCRIMINAO

VERSO AUDIODESCRITA
(Capa)
Texto preto em fundo amarelo: Olimpadas da Diversidade, Direitos Humanos e sem Discriminao. Abaixo do texto o desenho de sete personagens, representando os diversos tipos de pblicos, distribudos em duas fileiras, primeira fileira: uma mulher representando um personagem LGBT, vestindo uma cala azul, blusa de manga comprida e gola alta na cor branca, com um retngulo com as cores do arco-ris e um corao branco no centro; uma mulher negra, cega, vestindo uma cala cinza, blusa laranja e com uma bengala longa; uma mulher em cadeira de rodas, cadeirante, vestindo blusa na cor roxa e cala azul; uma mulher idosa, com uma blusa e uma cala lils, segurando um peso halteres de musculao no brao esquerdo. Segunda fileira: um ndio, com blusa verde, com um cocar de penas coloridas na cabea, pinturas indgenas nos dois antebraos; um morador de rua com, blusa verde; e um adolescente, com short lils com lista lateral laranja, camiseta verde com bon na cabea e segurando uma bola.
Braslia - 2016

(Pgina 2) Imagem do Cdigo QR 
 um cdigo de barras bidimensional que pode ser facilmente escaneado usando a maioria dostelefones celulares equipados com cmera que d acesso aos arquivos acessveis da cartilha.

(Pgina 3) Folha de rosto 
Uma reproduo dos desenhos dos personagens em forma de marca dagua, com uma cor amarelada. Sob esta imagem o ttulo da cartilha, seguido do texto: distribuio gratuita, Braslia 2016.

(Pgina 4) em branco

(Pgina 5) Apresentao
As Olimpadas e as Paralimpadas so marcadas pela unio, congregao dos povos e pela tica. Esses valores so representados em suas bandeiras, por meio dos aros olmpicos e giros paralmpicos que tambm agregam coragem, determinao, inspirao e igualdade. 
Ao longo dos anos, na histria dos Jogos Modernos, o esprito olmpico tem se destacado pela diversidade dos povos e naes participantes, mas, ainda, pelas diferenas pessoais de cada atleta olmpico e paralmpico. O esprito olmpico  acentuado pela fora e superao dos atletas. 
Os Jogos Olmpicos e Paralmpicos do Rio de Janeiro entram para a histria pela sua alegria, pela diversidade e pela presena e prtica dos Direitos Humanos. A presena dos atletas refugiados e suas histrias, os atletas que desafiaram as barreiras da heteronormatividade e declararam-se LGBT, atletas com deficincia competindo de maneira equnime com os atletas olmpicos, reafirmando que a diferena no  um impedimento. Mulheres e homens, negros e brancos, jovens e adultos fizeram da Rio 2016 um marco na histria dos jogos e do mundo. 
Os Direitos Humanos so a bandeira de todos os povos, inerentes a todos os seres humanos, independentemente de raa, etnia, origem, nacionalidade, sexo, gnero, orientao sexual e identidade de gnero, religio, idade ou qualquer outra condio. So fundados no respeito, na igualdade e na dignidade humana. So universais. So condio de existncia de cada pessoa. So, portanto, a grande marca do esprito olmpico. 
A cartilha Olimpadas da diversidade, Direitos Humanos e sem discriminao  como uma semente plantada na Rio 2016. Que gere frutos que contribuam, hoje e sempre, para transformao e unio de toda a sociedade e povos. 

Flvia Piovesan 
Secretria Especial de Direitos Humanos do Ministrio da Justia e Cidadania 
Roseane Cavalcante de Freitas Estrela 
Rosinha da Adefal 
Secretria Especial dos Direitos das Pessoas com Deficincia Ministrio da Justia e Cidadania 


(Pgina 6) em branco

(Pgina 7)  Dilogo entre a mulher em cadeira de rodas e o ndio. As falas esto em bales:

Mulher em cadeira de rodas: Voc sabia que os jogos paralmpicos acontecem desde 1960?  o maior evento esportivo mundial envolvendo pessoas com deficincia! Na edio de 2012, o Brasil alcanou 43 medalhas, ocupando a 7 colocao.
ndio: Ns tambm temos os nossos jogos. No Brasil j estamos na 13 Edio e, em 2015, o Brasil sediou o I Jogos Mundiais dos Povos Indgenas que contou com a participao de 24 pases.

(Pgina 8) Continuao do dilogo da Mulher em cadeira de rodas e do ndio:
Fundo amarelo e bales de dilogos com o texto.
Mulher em cadeira de rodas: No h limites para que possamos competir em nenhuma das modalidades. O esporte traz vigor e, de forma adaptada, podemos ser medalhistas como todo e qualquer atleta. 
ndio: Em nossas competies, as modalidades so uma referncia  nossa raiz cultural e tradio indgena.

(Pgina 9) Dilogo entre a mulher negra e a mulher LGBT. As falas esto em bales:
Mulher negra: O esporte  universal e no h distino ou limites de raa, etnia, sexo, gnero, orientao sexual ou identidade de gnero, idade ou religio para que ele se torne aliado, da incluso, da valorizao, da diversidade e das diferenas.
Mulher LGBT: A fora do esporte promove empoderamento, cidadania e direitos e no combina com preconceito e discriminao. As olmpiadas e as paralmpiadas esto marcadas pela diversidade. Pela primeira vez registrou-se um grande nmero de atletas que se assumiram LGBT.
No segundo plano do desenho a Mulher em cadeira de rodas e o ndio observam o dilogo entre a mulher negra e a mulher LGBT.

(Pgina 10) Dilogo entre uma mulher idosa e o adolescente. As falas esto em bales:
Mulher idosa: O esporte  para todos! Eu, por exemplo, me tornei esportista, j na terceira idade. Participei dos jogos regionais da pessoa idosa onde moro e estou treinando para um dia compor a delegao olmpica do meu pas. 
Adolescente: Quando crescer quero ser como voc. Eu pratico esportes na minha escola desde os cinco anos e estou crescendo, percebendo o quanto ele  importante para o meu desenvolvimento e minha formao cidad.

(Pgina 11) Continuao do dilogo entre uma mulher idosa e o adolescente. As falas esto em bales:
Adolescente: Na nossa escola, a prtica do esporte  associada  prtica da cidadania. O nosso professor de Educao Fsica nos d aulas tambm de Direitos Humanos, sobre o respeito  diversidade dentro e fora das quadras, dos campos, dos tatames, das piscinas, das redes e das pistas. 
Mulher idosa: Que interessante! Vou contar para minha neta, para que ela pea para o professor dela fazer o mesmo.
(Pgina 12) Dilogo entre o morador de rua e a Mulher em cadeira de rodas. As falas esto em bales:
Morador de rua: Eu estou em situao de rua, mas a instituio onde estou acolhido oferece a prtica de futebol de salo. Isto me trouxe mais nimo, sade e qualidade de vida para acessar outras polticas e superar a situao de rua.
Mulher em cadeira de rodas: O que voc acaba de contar  um grande exemplo de como podemos superar nossos limites com o esporte. 

(Pgina 13) Ilustrao com todos os personagens: a mulher representando um personagem LGBT, a mulher negra, a mulher em cadeira de rodas, a mulher idosa, o ndio, o morador de rua e o adolescente. As falas esto em bales:
Mulher negra: Mesmo assim, com todas estas vantagens e alegrias que a Olimpada, a Paralimpada e o esporte nos trazem, ainda h preconceitos, discriminaes e violaes, dentro e fora dele. Por isso, precisamos denunciar quaisquer prticas de violaes de Direitos Humanos.
ndio: Para isto, existe o DISQUE DIREITOS HUMANOS  DISQUE 100, que  um servio da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, da Secretaria Especial de Direitos Humanos, do Ministrio da Justia e Cidadania e atende a populao atravs do nmero 100. A ligao  gratuita e pode ser feita de qualquer telefone fixo ou celular, de todo o Pas, de forma annima. O servio funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. Inclusive domingos e feriados.

(Pgina 14) Ilustrao com os personagens: a mulher representando um personagem LGBT, a mulher negra, a mulher em cadeira de rodas, a mulher idosa e o ndio. As falas esto em bales:
ndio: Agora, alm do DISQUE 100 a denncia tambm pode ser realizada direto por um aplicativo de celular.
Mulher Idosa: Que legal e moderno! Como faz?
Mulher LGBT: Basta fazer o dowload do aplicativo PROTEJA BRASIL, disponvel para IOS ou Android, e l registrar a sua denncia, que vai ser igualmente recebida, tratada e encaminhada pela equipe do DISQUE 100. O aplicativo tambm permite localizar a rede e rgos de proteo e defesa dos Direitos Humanos, mais prximos de sua casa, informando sobre endereos e telefones teis.
Mulher em cadeira de rodas: Maravilhoso! Mais um aliado e canal gratuito de comunicao entre o governo e a sociedade, para o registro de denncias, que tem como base a idia de que todas as pessoas possuem direitos de viver com respeito e dignidade, seja ela uma criana ou adolescente, uma pessoa idosa, a populao negra, uma pessoa em situao de rua, a populao LGBT, uma pessoa com deficincia, os povos indgenas, e todos ns, com o princpio universal da igualdade.
(Pgina 15) CONTATOS DA REDE DE PROTEO NO RIO DE JANEIRO 
Todas as pginas seguintes esto em fundo amarelo e texto na cor preta.

 Ministrio Pblico do Estado do Rio de Janeiro
Avenida Marechal Cmara, n 370  Centro
20.020-080  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2550.9050

Procuradoria Regional de Direitos do Cidado
Avenida Nilo Peanha 31  6 andar  Centro
20.020-900  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3971.9520

Defensoria Pblica do Estado do Rio de Janeiro
Rua da Alfndega, n 70  Centro
20.070-004  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2460.5000 

Centro Integrado de Ateno  Pessoa com Deficincia  CIAD
Avenida Presidente Vargas, 1.997  Centro
20.210-030  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2242.7700

Secretaria Municipal da Pessoa com Deficincia  SMPD
Avenida Presidente Vargas, 1997  3 andar  sala 305  Centro
20.210-030  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2224.1300 

Superintendncia Estadual de Poltica para Pessoa com Deficincia  SPPD/SEASDH
Praa Cristiano Ottoni, s/n  Edifcio Pedro II  6 andar  Centro
20.221-250  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.9595

Conselho Municipal da Pessoa com Deficincia  CMPD
Avenida Presidente Vargas, 1997  3 andar  sala 305  Centro
20.210-030  Rio de Janeiro/RJ. (21)2224.1200

Conselho Estadual para a Poltica de Integrao da Pessoa com Deficincia  CEPDE
Praa Cristiano Otoni, s/n, 6 andar, sala 645  Prdio Central do Brasil  Centro
20.221-250  Rio de Janeiro/RJ. (21)2333-5595

Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficincia  CONADE
SCS-B, quadra 09, lote C
Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A  8 andar  Sala 801/C
70.308-200  Braslia/DF (61) 2027.3219

Centro Integrado de Ateno e Preveno  Violncia contra a Pessoa Idosa  CIAPI
Travessa Euricles de Matos, 17  Laranjeiras
22.240-010  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.3923

Secretaria Municipal de envelhecimento Ativo, Resilincia e Cuidados  SEMEARC
Rua Afonso Cavalcanti, 455, 5 andar  Sala 571  Cidade Nova
20.211-110  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2976-2892

Secretaria de Estado de Envelhecimento Saudvel e Qualidade de Vida  SEESQV
Rua do Carmo, 71, 4 andar  Centro
20.011-020. Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.9832

Conselho Municipal do Idoso do Rio de Janeiro  CMI	
Rua Afonso Cavalcanti, 455, Bloco 1  5 andar   sala 577  Cidade Nova	
20.211-110  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2976.1578	

Conselho Estadual para Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa  CEDEPI
Rua da Ajuda, n 5 - 11 andar - sala 1108  Centro
20.040-000. Rio de Janeiro/RJ. (21) 2532.6359


(Pgina 16) Continuao dos CONTATOS DA REDE DE PROTEO NO RIO DE JANEIRO 



Conselho Nacional dos Direitos do Idoso  CNDI
SCS-B, quadra 09, lote C
Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A  9 andar  Sala 903/C
70.308-200  Braslia/DF. (61) 2027.3014

Coordenadoria Especial de Promoo da Poltica de Igualdade
Racial da Capital
Praa Pio X, 119  10 andar  Candelria/Centro
20.040-020  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2976.7325

Superintendncia de Igualdade Racial do Estado  SEASDH
Praa Cristiano Ottoni, s/n  Edifcio Pedro II  6 andar  Centro
20.221-250  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.9595

Centro de Referncia da Assistncia Social  CRAS Maracan
Rua Visconde de Santa Isabel, 412  Vila Isabel
20.560-121  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3278.6441

Centro de Referncia da Assistncia Social  CRAS Copacabana 
Rua Saint Roman, 172  Copacabana
22.071-060  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3111.2480

Centro de Referncia da Assistncia Social  CRAS Barra Cidadania 
Rua Nova, 20B  Rio das Pedras
22.753-043  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2447.1803

Centro de Referncia da Assistncia Social  CRAS Deodoro
Rua Dona Olmpia, 220  Realengo
21.765-020  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3335.0541

Centro de Referncia Especializado da Assistncia Social  CREAS Maracan
Rua Visconde de Santa Isabel, 34  Vila Isabel
20.560-121  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2298.8989

Centro de Referncia Especializado da Assistncia Social  CREAS Barra
Avenida Ayrton Sena, 2001  Bloco 02  sala 44  Barra
22.775-002  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2435.5607

Centro de Referncia Especializado da Assistncia Social  CREAS Deodoro
Rua Santa Ceclia, 984 - 3 andar  Bangu
21.810-080  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3332.4032

Secretaria Municipal de Sade  Consultrio na Rua
Rua Afonso Cavalcanti, 455  Sala 807  Cidade Nova
20.211-110  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3971.1664

Atendimento Centro PopRua e Abordagem da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social  SMDS  Subsecretaria de Proteo Especial
Rua Afonso Cavalcanti, 455, 5 andar  Sala 530  Cidade Nova
20.211-110  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2976-1527

Defensoria Pblica do Estado do Rio de Janeiro (Ncleo de Defesa dos Direitos Humanos  Atendimento  populao em situao de rua)
Rua Mxico, 11, Sala 1501  Centro
20.031-144  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2332.6346 

Comit Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento da Poltica Nacional para Populao em Situao de Rua  CIAMP/Rua
SCS-B, quadra 09, lote C
Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A  9 andar  Sala 904 
70.308-200  Braslia/DF. (61) 2027.3887


(Pgina 17) Continuao dos CONTATOS DA REDE DE PROTEO NO RIO DE JANEIRO 


Centro de Cidadania LGBT da Capital	
Praa Cristiano Otoni, s/n  Edifcio Dom Pedro II, 7 andar  Sala 718  Centro
20.221-250  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.9561 	

Coordenadoria Municipal Especial da Diversidade Sexual	
Rua So Clemente, 360  Palcio da Cidade  Botafogo
22.260-000  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2976-9186	

Conselho Estadual dos Direitos da Populao LGBT	
Praa Cristiano Ottoni, s/n  Edifcio Pedro II  7 andar, Sala 730  Centro
20.221-250  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.9573

Conselho Nacional de Combate  Discriminao e Promoo dos Direitos de LGBT  CNCD/LGBT
SCS-B, quadra 09, lote C
Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A  9 andar  Sala 903/C
70.308-200  Braslia/DF. (61) 2027.3241

Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos	
Praa Cristiano Ottoni, s/n  Edifcio Pedro II  6 andar, Sala 653  Centro
20.221-250  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.5511

Conselho Nacional de Direitos Humanos  CNDH
SCS-B, quadra 09, lote C
Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A  10 andar  Sala 1001/B2
70.308-200  Braslia/DF. (61) 2027.3957

Conselho Municipal dos Direitos da Criana e do Adolescente do Rio de Janeiro  CMDCA	
Rua Afonso Cavalcanti, 455, Bloco 1  6 andar   sala 663  Cidade Nova	
20.211-110  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2976-1522	

Conselho Estadual dos Direitos da Criana e do Adolescente 
Rua da Ajuda, n 05 - 11 andar, salas 1101 e 1102
20.040-000  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2333-0181
Conselho Nacional dos Direitos da Criana e do Adolescente  CONANDA
SCS-B, quadra 09, lote C
Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A  8 andar  Sala 802
70.308-200  Braslia/DF. (61) 2027.3344

Conselho Tutelar 02  Copacabana
Rua So Salvador, 56  Laranjeiras
22.231-170  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2554.8295

Conselho Tutelar Barra
Rua Rosalina Brantes, 200  Condomnio Riviera
22.631-260  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3221.2749

Conselho Tutelar 17
Estrada do Engenho Novo, s/n  Realengo
21.730-320  Rio de Janeiro/RJ.(21) 3467.9888

Conselho Tutelar 03 
Rua Desembargador Izidro, 48  Tijuca
20.521-160  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2214.3480

1 Delegacia de Polcia Civil da Praa Mau
(Atendendo provisoriamente na sede da 4DP)
Praa Cristiano Ottoni, s/n
20.221-250  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.5159


(Pgina 18) Continuao dos CONTATOS DA REDE DE PROTEO NO RIO DE JANEIRO 


12 Delegacia de Polcia Civil de Copacabana
Rua Hilrio de Gouveia, 102  Copacabana
22.040-020  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2332.7914

16 Delegacia de Polcia Civil da Barra da Tijuca
Praa Desembargador Araujo Jorge, s/n  Barra da Tijuca
22.611-220  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2333.6364

Delegacia Especializada de Atendimento  Mulher  DEAM
Rua Visconde do Rio Branco, 12  Centro, Rio de Janeiro  RJ
20.051-080  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2334.9859

Delegacia Especializada de Atendimento  Mulher  DEAM
Avenida Treze de Maio, 33  Centro
20.031-920  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2524-6321

Centros de Referncia de Atendimento  Mulher  CRAM
Rua Regente Feij, n 15  Praa Tiradentes
20.060-060  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2332-7199

1 Juizado de Violncia Domstica e Familiar Contra a Mulher
Rua da Carioca, n 72  Praa Tiradentes
20.050-008  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2224-7052 

2 Juizado de Violncia Domstica e Familiar Contra a Mulher
Rua Carlos da Silva Costa, 141, Bloco 2  Campo Grande
23052-220  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3470-9731

Servios de Sade Especializados para o Atendimento dos Casos de Violncia Contra a Mulher - Hospital Maternidade Oswaldo Nazareth 
Praa XV de Novembro, 04  Centro
20.010-010  Rio de Janeiro /RJ. (21) 2224-9204

Servios de Sade Especializados para o Atendimento dos Casos de Violncia Contra a Mulher - Hospital Maternidade Herculano Pinheiro 
Avenida Ministro Edgard Romero, 276  Madureira
21.360-201  Rio de Janeiro/RJ. (21) 2458-8625

Delegacia de Polcia de Imigrao
Avenida Vinte de Janeiro, s/n  Ilha do Governador  Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Galeo)
Terminal I, Setor C, 3 andar
21.942-090  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3398-3142

Delegacia Especial no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Galeo)
Avenida Vinte de Janeiro, s/n  Ilha do Governador 
Terminal I, Setor C, 3 andar
21.942-090  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3398-5050

Juizados Especiais Cveis no Aeroporto do Rio de Janeiro (Santos Dumont)
Praa Senador Salgado Filho, s/n  Centro
Terminal de Desembarque
20.021-340  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3814-7763



Superintendncia da Policia Federal no Aeroporto do Rio de Janeiro (Santos Dumont)
Praa Senador Salgado Filho, s/n  Centro
Terminal de Desembarque
20.021-340  Rio de Janeiro/RJ. (21) 3814-7431

Conselho Nacional de Preveno e Combate  Tortura  CNPCT 
SCS-B, quadra 09, lote C
Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A  9 andar  Sala 905
70.308-200  Braslia/DF. (61) 2027.3377


(Pgina 19) Informaes institucionais


Ministrio da Justia e Cidadania
Secretaria Especial de Direitos Humanos
Setor Comercial Sul  B, quadra 9, Lote C
Edifcio Parque Cidade Corporate, Torre A, 10 andar
Braslia  Distrito Federal  CEP: 70308-200
Telefone: 61 2027-3900
direitoshumanos@sdh.gov.br
www.sdh.gov.br

Secretaria Especial de Direitos da Pessoa com Deficincia
Setor Comercial Sul  B, quadra 9, Lote C
Edifcio Parque Cidade Corporate, Torre A, 8 andar
Braslia  Distrito Federal  CEP: 70308-200
Telefone: 61 2027-3684/3221
pessoacomdeficiencia@sdh.gov.br
www.sdh.gov.br

Secretaria Nacional dos Direitos da Criana e do Adolescente
Setor Comercial Sul  B, quadra 9, Lote C
Edifcio Parque Cidade Corporate, Torre A, 8 andar
Braslia  Distrito Federal  CEP: 70308-200
Telefone: 61 2027-3225
spdca@sdh.gov.br
www.sdh.gov.br


FICHA TCNICA

Texto: Irina Karla Bacci e Rosane Carneiro de Albuquerque
Reviso Gramatical: Vanessa Campos e Thas Passos
Reviso Editorial: Denilda Ucha
Ilustraes: Andr Cerino
Projeto Grfico e Diagramao: Artecor Grfica / Leandro Rangel
Tiragem: 5 mil exemplares
A reproduo do todo ou parte deste documento  permitida somente para fins no lucrativos e desde que citada a fonte.
Distribuio Gratuita
Impresso no Brasil.

(Pgina 20) Contracapa ou quarta capa (incluir informao)

Um fundo amarelo. Ao centro, de cima para baixo, as logomarcas do Disque 100, do Humaniza Redes, do Brasil Proteja, na linha de baixo a Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficincia, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, do Ministrio da Justia e Cidadania e do Governo Federal.

Reportar erro