Notícias

Em Roraima, ministro Gustavo Rocha destaca abordagem multidisciplinar para solução da crise migratória

publicado: 06/03/2018 20h22, última modificação: 14/05/2018 23h35

O ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, visitou o estado de Roraima nesta terça-feira (06), para acompanhar o desenvolvimento da situação migratória no local.

Na primeira parada, o ministro esteve no município de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, onde visitou um abrigo de indígenas da etnia warao, foram aos prédios da Comarca, da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal. Em seguida, a comitiva seguiu para Boa Vista, onde passaram pela Praça Simón Bolívar, destino da maior parte dos migrantes que descem da fronteira. No local, eles ficam acomodados em barracas de camping e tendas improvisadas.

"Todos sabem e a gente vê muito na TV, mas quando a gente chega aqui acaba se sensibilizando. O abrigo dos warao impressiona e percebe-se que realmente vai ser necessário ter uma atitude proativa para resolver este problema. Aqui infelizmente não há a dignidade necessária para as pessoas viverem. ", afirmou o ministro.

O ministro Gustavo reforçou a importância da aproximação das autoridades para a solução desta crise. "Essa é a segunda vez que eu venho aqui a Roraima para tratar deste assunto. Estive aqui com o Presidente da República na segunda-feira de carnaval. Naquele momento, buscávamos uma solução normativa, e foi quando editamos um decreto e uma medida provisória com as atitudes emergenciais. Depois, nós consideramos que, dessa vez seria importante uma visão multidisciplinar da crise. Por isso, viemos com uma comitiva diferente: incluimos o Ministério Público, o Conselho Nacional do Ministério Público, o Conselho Nacional de Justiça, a Defensoria Pública da União, o Ministério Público do Trabalho, o Ministério Público Militar, a Polícia Federal, todos com suas visões e especialidades para contribuir na busca das soluções", afirma.

Situação de emergência social

A intensa entrada de migrantes causa um desequilíbrio populacional e pressiona os serviços públicos em todas as áreas, inclusive saúde e educação. A Polícia Federal informou ao ministro que, em média, 800 pessoas entram no país por dia em Pacaraima e a maior parte percorre os 220km até a capital Boa Vista, tanto a pé quanto de ônibus ou de carona.

A PF afirmou, ainda, que o grande fluxo de pessoas aumenta, por exemplo, a população em situação de rua na capital. No hospital local, há pelo menos quatro casos de crianças com suspeita de sarampo internadas. As autoridades locais informaram que, ao chegar no local, os migrantes procuram a Polícia Federal para regularizar documentos, a Receita Federal para buscar o CPF e o Ministério do trabalho para emitir carteira de trabalho. Pedidos de refúgio também exigem a atenção especial das autoridades locais.

Reportar erro