Notícias

70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos ganha videoclipe e painéis

publicado: 10/12/2018 13h31, última modificação: 10/12/2018 14h54
70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos ganha videoclipe e painéis

Foto: Luiz Alves - MDH.

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) lançou nesta segunda-feira, 10 de dezembro, um videoclipe em celebração aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A campanha é uma iniciativa da Presidência do CNMP, com apoio da União Europeia. O lançamento foi feito pela presidente do CNMP, Raquel Dodge, às 11h, no Plenário do órgão. O Ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, que também integra o CNMP, participou do lançamento. 

Cantado pela rapper Karol Conka e com participação especial da cantora Daniela Mercury, “a música que todos deveriam saber a letra” pretende difundir os direitos humanos previstos na Declaração e torná-los amplamente conhecidos pela sociedade. A letra da música dá vida ao documento e traz os 30 artigos em versão musicada.

Na solenidade, o Ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, falou da sua satisfação em compor o CNMP e estar, ao mesmo tempo, à frente do MDH, fato que permitiu um diálogo grande e uma parceria importante para a realização de ações.  “A Declaração Universal dos Direitos Humanos, embora tenha textos bastante simples, precisa ter seus artigos lembrados sempre, principalmente pela juventude”, disse.

O ministro lembrou a colocação de painéis enormes pelo MDH, em toda a Esplanada dos Ministérios, com os dizeres da DUDH, instalados desde o dia 22 de novembro. O ministro ilustrou que costuma levar seus filhos e grupos de jovens para, além de apreciar a beleza da capital, conhecerem os painéis com os artigos da DUDH.  Ele lembrou ainda outra ação, que contou com parceria do CNMP, que foi o lançamento da campanha contra a violência doméstica e que ganhou as redes sociais.    

Videoclipe - Com conceito minimalista, o videoclipe traz situações retratadas por diversos personagens que revelam violações de direitos e problemas mundiais, e traduzem os direitos humanos a serem afirmados pela sociedade. O refrão da música enfatiza que os direitos são devidos a todas e todos que assistem ao clipe: “São seus direitos, são seus direitos!”, destaca a letra.

“São seus direitos! A Declaração Universal dos Direitos Humanos afirma direitos fundamentais e, com 70 anos, é mais do que atual. Pouca gente sabe, mas todas e todos devem saber a letra, pois só quem sabe, exerce seus direitos. Essa campanha vem para fortalecer o princípio de que todos os seres humanos têm a mesma dignidade e fruem os mesmos direitos”, afirma a presidente do CNMP e procuradora-geral da República, Raquel Dodge. “O apoio dos voluntários, artistas, produtores, redatores, da União Europeia e da equipe do CNMP tornou possível este grande projeto”, concluiu.

Além da rapper Karol Conka e da cantora Daniela Mercury e sua esposa, Malu Mercury, a presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), Keila Simpson, participou do videoclipe. Nenhuma delas cobrou cachê. A maioria dos atores e das atrizes presentes no clipe também foram voluntários. A agência de publicidade Fields Comunicação e a produtora Vapt Filmes apoiaram o projeto e não cobraram honorários de produção.

A campanha conta com outras peças de comunicação para mídia impressa e digital. O material completo pode ser acessado na página www.cnmp.mp.br/amusica a partir de 10 de dezembro, segunda-feira.

Na mesa do evento no CNMP, nesta segunda-feira, além de Raquel Dodge e do ministro Gustavo Rocha, estavam presentes, Adriana Zawade, Secretária-Geral do CNMP; Ivana Farina, Secretária de Direitos Humanos e Defesa Coletiva do CNMP; Claudia Gintersdorfer, encarregada de negócios a.i. da delegação da União Europeia no Brasil. E os conselheiros Valter Shuenquener de Araújo, Luciano Nunes Maia Freire, Sebastião Vieira Caixeta, Silvio Roberto Oliveira Amorim , Lauro Machado Nogueira e Leonardo Acioly.  

Reportar erro
registrado em: ,