Notícias

Secretária da Juventude fala sobre sua trajetória e desafios enfrentados

publicado: 23/04/2019 17h34, última modificação: 23/04/2019 18h13

Com carteira de trabalho assinada desde os 16 anos, a jovem catarinense Jayana Nicaretta da Silva, de 24 anos, é a atual titular da Secretaria Nacional da Juventude (SNJ) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). Nomeada pela ministra Damares Alves como forma de representatividade da juventude, Jayana se destaca na questão das políticas públicas de juventude e militância.

Para a secretária, essa representatividade é de extrema importância, pois “assim como a Secretaria da Pessoa Idosa tem um idoso como secretário, a Secretaria da Mulher tem uma mulher à frente, a da Igualdade Racial tem uma indígena, estamos à frente desta Secretaria sendo a cara dos jovens”.

Jayana começou a militância estudantil aos 14 anos no Grêmio Estudantil da Escola de Educação Básica São Luiz, em sua cidade natal União do Oeste, em Santa Catarina.

Aos 17 se candidatou como vereadora e implementou o conhecido Câmara Mirim. “Esse projeto foi executado por mim na Câmara Municipal de Vereadores de União do Oeste. Elegemos nove vereadores jovens e, assim, aproximamos essa parcela da população da realidade política para que eles entendessem como funciona a Câmara e a Prefeitura”, afirmou. Segundo ela, esse projeto teve grande destaque, pois a juventude pôde levar os problemas de suas comunidades para dentro do Poder Público.

Durante os quatro anos de mandato, conciliou a vida pública como vereadora e a vida de estudante na Universidade Federal de Pelotas, cursando Engenharia de Petróleo. “Eu andava, em média, 1.400 km por semana para conseguir cumprir com as responsabilidades na minha cidade como política e com os estudos”, explicou. Em 2016, retirou a sua candidatura do páreo por estar no 9º semestre de seu curso, significando que uma reeleição exigiria o trancamento de sua matrícula e a mudança de planos profissionais. “Toda campanha envolve tempo e dinheiro, o que pode ser um risco. Em 2016 precisei escolher a faculdade e a família”, conta. Na ocasião, sua candidatura continuou no sistema, o que gerou alguns votos que foram invalidados.

Na época da universidade, sua militância obteve importantes resultados. “Nós disputamos a eleição do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e vencemos. Eu estava à frente e fui dois anos presidente do diretório acadêmico do meu curso. Fui representante no conselho dos professores e no conselho superior, o maior e mais importante conselho da Universidade Federal de Pelotas”, relatou.

Em suas experiências anteriores, Jayana destaca também seus estágios no setor privado como engenheira de petróleo e em uma usina de asfalto, que era onde trabalhava até ser chamada para ser titular da SNJ. “Só não tive mais experiências porque ainda sou muito nova”.

A secretária afirma que a juventude precisa disso, de oportunidades para mostrar as competências. “O principal debate aqui da juventude é esse. No mercado de trabalho muito se exige experiência, mas como você vai ter a experiência necessária se você é um jovem de 20 e poucos anos?”.

Para ela, esta oportunidade lhe foi dada pela ministra Damares para revelar seus conhecimentos frente a tantas responsabilidades. “Estamos atendendo prontamente todas as demandas solicitadas pelo Ministério e pelo Governo Federal”, completou Jayana.

Nos primeiros 100 dias de Governo, a titular da juventude fez mais de 10 entregas. A mais exitosa foi o fechamento de 152 turmas do Inova Jovem EAD. Este projeto é voltado aos jovens que vivem em áreas vulneráveis e sonham em mudar de vida por meio do empreendedorismo, abrindo seu próprio negócio. As aulas, que ainda estão em andamento, capacitarão quase oito mil jovens. “Em dois anos a gestão passada entregou 80 turmas e nós, em menos de três meses de governo, conseguimos esse resultado de sucesso”, comemorou.

Jayana destaca também a formulação do Espaço 4.0, espaços em forma de container que serão equipados com os mais modernos equipamentos, visando à inclusão dos jovens. O projeto oferecerá ainda oficinas para a qualificação dos jovens para o mercado de trabalho, de acordo com a realidade de cada localidade e com o menor custo possível. “A nossa ideia é chegar aos jovens isolados, que foi um pedido muito especial da ministra Damares. Vamos atender as juventudes tradicionais e os jovens do interior”.

A titular da secretaria informou que a equipe da SNJ está rodando o país para conhecer essas realidades. “Começamos pelo nordeste, especificamente em Pernambuco. Estivemos na Bahia e agora já estamos com agenda marcada no Acre, no Amapá e no Amazonas. A nossa intenção é andar por esse Brasil e conhecer as políticas públicas de juventude em cada município e aprimorá-las de acordo com as necessidades locais”, finalizou.

Reportar erro