Notícias

Em encontro com a Unicef, ministra Damares defende união em prol dos direitos de crianças e adolescentes

publicado: 16/01/2019 16h11, última modificação: 16/01/2019 19h26
Em encontro com a Unicef, Damares defende união em defesa dos direitos de crianças e adolescentes

Luiz Alves- Ascom MMFDH

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu a união de esforços entre o governo federal e organismos internacionais em prol dos direitos de crianças e adolescentes. Ela reuniu-se, nesta quarta-feira (16), em Brasília-DF, com a representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Brasil, Florence Bauer, com quem pretende realizar ações conjuntas.

“Vejo muita coisa sendo feita no Brasil, mas poucas tendo continuidade. Governos, iniciativa privada e organismos internacionais têm projetos extraordinários. Precisamos unir forças”, disse.  

Para Florence Bauer, é importante o acordo com governo federal para implantar programas de enfrentamento aos atuais problemas que afligem esta faixa etária da população. Ela defendeu combinar a política nacional com ação local, em loco, e elogiou fala recente do governo, que defendeu um pacto nacional pela infância.

A ministra manifestou preocupação com o crescente número de homicídios no país e citou que tratará com prioridade o enfrentamento dos casos de automutilação atingindo crianças e adolescentes.

Indígenas – Na audiência, a ministra falou ainda da sua preocupação com a população indígena e a mortalidade infantil, problemas que atingem essas comunidades. “Temos uma pluralidade cultural. Vamos dar atenção especial aos povos tradicionais “, explicou.

Além de Florence Bauer, participaram da audiência Mario Volpi, Chefe do Componente de Políticas Sociais de Qualidade do UNICEF; Rosana Vega, chefe do Programa de Proteção do Unicef e a Secretária Nacional da Família, Ângela Vidal Gandra da Silva Martins.

A Ouvidoria do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, tem os seguintes canais para denúncias: O Disque 100, o aplicativo Proteja Brasil e o Humaniza Redes.

Reportar erro