Notícias

Ministério acompanha caso de criança morta e irmãos torturados em Planaltina de Goiás

publicado: 30/05/2019 20h41, última modificação: 30/05/2019 20h51

Uma equipe da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA), do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), esteve em Planaltina de Goiás na tarde desta quinta-feira (30), para acompanhar o caso da morte de uma criança e maus-tratos de outros três irmãos em Planaltina de Goiás. A cidade fica no entorno do Distrito Federal, a cerca de 65 km de Brasília.

No dia anterior (29), o Conselho Tutelar havia sido acionado por vizinhos, após ouvirem o choro das crianças agredidas por um dos tios. Foi prestado o socorro, mas uma delas já havia morrido no interior da residência.

Representando o ministério, a coordenadora-geral de Fortalecimento de Garantias dos Direitos da Criança e do Adolescente, Alinne Duarte, solicitou que a equipe de psicólogos e toda a rede de atendimento médico fosse destacada para acompanhar as crianças. Ela e o diretor de Enfrentamento de Violações aos Direitos da Criança e do Adolescente, Clayton Bezerra, também do MMFDH, visitaram a sede do Conselho Tutelar de Planaltina/GO e foram na unidade hospitalar onde três vítimas estão internadas.

Entre os compromissos, os representantes do MMFDH também estiveram com o conselheiro tutelar Antônio Freire e a primeira-dama de Planaltina de Goiás, Adriana Lopes da Cunha. “O caso é assustador. Elas eram torturadas e estão muito assustadas. Estamos chocados mas empenhados em proteger os direitos dessas crianças”, disse a primeira-dama.

Histórico

Segundo o Conselho Tutelar, as crianças ficavam trancadas em casa, não estudavam e não eram alcançadas pela rede de atendimento à saúde. Elas eram ameaçadas pelo tio, que as deixava dormindo fora da residência, como forma de castigo.

Todas as crianças apresentavam marcas de violência pelo corpo, como queimaduras de cigarro. Ainda de acordo com o Conselho Tutelar, os quatro irmãos viviam com um casal de tios porque os pais foram presos recentemente, por práticas de crimes.

Reportar erro